Diane Birch – Speak A Little Louder

Diane Birch – Speak A Little Louder

Depois de um longo tempo, o Youtube me indicou a ótima Diane Birch, e então comecei a escutar o nem tão novo álbum dela, Speak A Little Louder, lançado em 2013. E digo para vocês que me surpreendi, pois ao ouvir as músicas do CD, percebi uma Diane Birch diferente, vemos nas músicas do álbum mais musicalidade, arranjos mais complexos e mais precisos com mais instrumentos trabalhando junto, como na canção Lighthouse, onde temos coral, bumbos e um ar que me lembra um pouco a sonoridade de algumas música da…

No One Lives

No One Lives

Outro filme que vi aos 45 do segundo tempo em 2013 foi o terror/suspense No One Lives que apesar de ter um início bacana, uma boa reviravolta (um pouco previsível) e um ator se esforçando para fazer algo mais, o filme não engrena e não decola, se tornando apenas mais um filme de serial killer que mata sem dó todo mundo que vê pela frente. O filme do japonês Ryûhei Kitamura, que ganhou destaque pelo filme O Último Trem, não decola por um simples motivo a trama tem “vilões” fracos…

Duro de Matar: Um Bom Dia para Morrer

Duro de Matar: Um Bom Dia para Morrer

Para começar o ano vou falar de alguns filmes que vi um pouco antes do fim de 2013, já que em 2014 ainda não deu tempo de ver nada, quem sabe não acabo indo ao cinema hoje!!! Mas vamos ao que interessa: Holywood nem sempre sabe deixar algumas franquias morrerem, após acertarem a mão com o bom Duro de Matar 4.0, onde Bruce Willis e John McClane se misturavam em um só e brincavam com a idade do ator em fazer um filme de ação, Duro de Matar: Um Bom…

Jag Etter Vind

Jag Etter Vind

Confesso que não vi muitos filmes norueguêses até hoje, mas resolvi arriscar a ver o drama, Jag etter vind, algo como Perseguindo o Vento, que mostra Anna tendo que voltar a sua cidade natal após 10 anos para o enterro de sua avó. Logo na chegada de Anna (Marie Blokhus) a sua antiga cidade percebemos que existe algo no seu passado e na forma como ela foi embora, deixando feridas abertas, feridas que atrapalham claramente sua relação com seu avô e até com um ex-namorado. O grande problema do drama…

Última Viagem a Vegas

Última Viagem a Vegas

Quando você vê o cartaz de a Última Viagem a Vegas com 4 sessentões e o nome Vegas embaixo você tem a impressão que verá um Se beber Não Case da terceira idade, e para ser bem sincero, o filme é basicamente isso e se torna simpático, mesmo quando as piadas são previsíveis, por causa do elenco de estrelas. O roteiro é simples e sem nenhuma novidade, são apenas 4 amigos que vão para Vegas quando um deles resolve finalmente casar com uma menina com a metade da idade deles….

O Passado (Le Passé)

O Passado (Le Passé)

Será que nós realmente mandamos no nosso passado? Se não conseguimos deixá-lo de lado, ele sempre volta, sejam as coisas boas ou ruins, mas que muitas vezes nos impedem de dar um novo passo e seguir em frente, e é justamente isso que o diretor Asghar Farhadi, do espetacular A Separação, tenta nos mostrar de forma lenta e sem arriscar, de que o passado sempre nos seguirá, mas só nós podemos fazer com que ele não atrapalhe nosso futuro. O Passado foi a grande sensação Festival de Cannes e desponta…

Jobs

Jobs

Jobs é um filme que chama mais a atenção do público por causa do criador do mundo Apple do que pela qualidade do filme em si, não que seja um filme fraco, mas realmente é um filme com poucas surpresas e que empolgue quem o assiste, mesmo que Ashton Kutcher surpreenda positivamente em alguns momentos. Jobs, sinceramente, é uma visão muito superficial da vida do adorado e cultuado mago da Apple,

Diana

Diana

O grande problema de Diana é transformar a história da mulher mais famosa do mundo em apenas uma história de uma mulher apaixonada por um homem comum e focar o filme todo praticamente neste romance que, com todo o respeito, não empolga e não faz com que a platéia torça para o casal. Antes de ir ao cinema ver o filme ouvi muita gente falando que o filme transformava Diana em uma Deusa, em uma mulher perfeita que só queria e fazia o bem, e também achava que ia ver…

A Família

A Família

Sem muitas pretensões, um filme fácil, mas principalmente uma homenagem francesa ao cinema americano de gangster, esse é a modesta, mas agradável, comédia de Luc Besson: A Família. Luc Benson usa e abusa dos termos comuns nos filmes de gângster americanos, primeiro por trazer um Robert De Niro no papel de um chefe de família que traiu a sua “família” e agora vive de cidade em cidade se escondendo, depois por referências claras ao cinema gângster americano, princpalmente ao filme Os Bons Companheiros com o mesmo De Niro. O filme…

A Guerra Está Declarada

A Guerra Está Declarada

Li vários comentários positivos sobre o francês A Guerra Está Declarada da atriz, roteirista e diretora Valérie Donzelli e talvez isso tenha aumentado a minha expectativa para o filme, não que seja um filme ruim, é um ótimo drama familiar, mas realmente achei que o filme teria uma carga emocional maior. O filme toca num assunto complicadíssimo o câncer em um recém nascido, porém o filme esquece basicamente da criança e dos problemas do câncer e foca no jovem casal Roméo (Jérémie Elkaïm) e Juliette (Valérie Donzelli),