Deixe-me Entrar

Deixe-me Entrar

Enquanto defini o sueco Deixe Ela Entrar como Belo, forte, dominante, poético, triste, denso, aterrorizante, profundo… Eu posso definir o Deixe-me Entrar como um remake sem o principal, a alma! O diretor Matt Reeves até tentou montar um filme quase que cópia do original, mas a alma não se copia e ainda, em alguns casos, tirou do público o que o original deixou, a dúvida e até a sua poesia. Não vou dizer que Deixe-me Entrar não tem suas qualidades, tem sim, mas o problema maior é ser um remake…