O Primeiro Mentiroso

O Primeiro Mentiroso

O Primeiro Mentiroso parte de uma premissa interessantíssima: o mundo não conhece a mentira, apenas a verdade e nada mais que a verdade é dito. É uma premissa bem simples, mas com muita coisa para se trabalhar o que fica claro no início do filme.

Sabe aquela história que existem mentiras que são boas e necessárias? O filme nos reserva algumas boas risadas logo nas primeiras cenas quando um homem fracassado (Ricky Gervais) tem um encontro as escuras com uma linda e bem sucedida mulher (Jennifer Garner), a maneira como ela é direta com ele nos reserva boas risadas.

E o filme vai muito bem, mostra como é a relação dentro de uma empresa, entre amigos quando ninguém sabe mentir, apenas a verdade é dita, sem medo e sem preocupação se vai agredir ou fazer mal. Este jogo de verdades traz muita graça aos primeiros 30 minutos do filme, graça que não se perde logo após Ricky Gervais inventar a mentira e começar a tirar lucros financeiros, amorosos e profissionais.

Porém o filme começa a se perder e, talvez ficar cansativo para alguns, quando com uma pequena e inocente mentira o personagem de  Gervais se vê num dilema entre continuar mentindo ou ser aclamado mundialmente como o profeta.

É que neste momento o filme perde um pouco a sua graça e fica entre a comédia e um filme mais sério, pois Ricky Gervais, que além de atuar é o roteirista e diretor do filme junto com Matthew Robinson, não consegue nem fazer rir no mesmo ritmo do início do filme e nem se aprofundar com mais seriedade nas questões sobre o poder da religião e sobre a existência de um Deus, ou de como tudo isso começou.

Assim o filme se arrasta e fica um pouco repetitivo, mas não estraga o resultado geral, de uma comédia interessante e com ótimas tiradas nas situações do dia a dia, é uma pena que o roteiro tenha ido para uma área séria e controversa sem coragem de se aprofundar.

Um último detalhe é que o filme é recheado de participações especiais, como: Tina Fey, Jason Bateman, Edward Norton e Philip Seymour Hoffman.

Até,
André C.


O Primeiro Mentiroso(The Invention of Lying – 2009)
Direção: Ricky Gervais e Matthew Robinson
Roteiro: Ricky Gervais e Matthew Robinson
Elenco: Ricky Gervais (Mark Bellison), Jennifer Garner (Anna McDoogles), Jonah Hill (Frank), Louis C.K. (Greg), Jeffrey Tambor (Anthony), Fionnula Flanagan (Martha Bellison) e Rob Lowe (Brad Kessler)

Nota Filme: 3.0

10 thoughts on “O Primeiro Mentiroso

  1. Gleicy

    huumuuuuuuuuum que filme bom , até parece eu mentindo , só que eu num fiquei famosa

  2. Rumpert

    Descordo com a parte que o filme começa a ficar meio chato/repetido após os 30 minutos, o filme é meio que uma sátira contra a toda a ideia que vem de muitos anos, que é a de que existe um Poder Supremo algo como por exemplo Deus, ele impõem que isso tudo de igreja, religiões e até que exista algo maior não passe de uma mentira…

    1. Andre C.

      Rumpert,
      obrigado pela sua opinião, na verdade o que vejo é que faltou mais coragem e talvez ambição em tocar em assunto que é polêmico, colocar uma dúvida na força da Igreja, de Deus ou na existência de um Puder Supremo. O filme poderia ter mais força e coragem nesta hora.

      Abraços,
      André

  3. Adriano Moura

    Acho irrelevante entrar em termos religiosos nesse caso, esse filme parte da ideia muito interessante de que não necessariamente o racionalmente correto é a melhor opção, até porque tudo o que foi inventado por ele serviu para melhorar a vida das pessoas, que no fundo a mentira poderia ser algo bom mesmo quando inconscientemente sabemos que não necessariamente é verdade!!!

  4. Talvez a produção não seja das melhores… Mas é inevitável a comparação com a religião, é evidente que o próprio filme se propõe a isso quando as mentiras do protagonista se baseia em um ser superior que mora no céu e controla tudo, suas mentiras, que são as coisas que você deve fazer para ir ao "paraíso" (onde todo mundo ganha sorvete), são escritas em 10 "tópicos" sobre duas caixas de pizza hut. Dai ele vira uma especie de sacerdote, todos acreditam que ele é o porta voz do homem do céu, fica rico e de cara a minha primeira impressão do filme é que se trata de uma crítica e sátira a religião e seu poder de influência e ri dos crentes nela. Achei a ideia genial hsuaihsia

  5. Gostei muito da ideia, e cintinuei rindo depois da invenção do homem no céu. Penso que não foi bem aceito exatamente porque faz piada das crenças religiosas. Eu acredito numa vida após a morte mas isso não me impediu de apreciar a visão crítica e muito inteligente de Ricky Gervais. Só não gostei da cena da noiva desistindo do casamento na última hora porque..sinceramente, está manjado demais. Pareceu cena de novela da Globo.

  6. Esse filme só será interessante para os que não sofreram lavagem celebral. Os aficionados pela " COCA-COLA " e pelos vinte mandamentos ( sim! Eram duas pedras com dez mandamentos cada uma, mas Moisés deixou cair uma quando descia a montanha e só ficou uma pedra com dez mandamentos ) irão odiar e amaldiçoar esse filme.

Leave a Comment

Por favor preencha o algarismo que falta para enviar o comentário. *

Related posts