Intocáveis

intocaveis

Intocáveis, que chega ao Brasil com quase 1 ano de atraso, bateu O Fabuloso Destino de Amélie Poulain como o filme francês mais visto da história, mas comparar o sucesso de um com o do outro seria um grande erro, porque poderia afastar aqueles que não gostaram de Amélie Poulain deste improvável Intocáveis, que mais uma vez é o cinema francês analisando a vida do homem e seus sentimentos

Aqui o filme segue uma amizade improvável para tocar em assuntos polêmicos como o racismo, a xenofobia, as diferenças sociais e até as diferenças de vida entre deficientes em patamares diferentes na sociedade, contudo estes temas são tocados de uma forma tão sútil e leve que faz de Intocáveis um filme extremamente leve e divertido, apesar de todo o drama e peso destes assuntos.

O roteiro, leve e perspicaz, se aproveita do impressionante carisma de Omar Sy (Driss) na tela, para criar um relacionamento forte e incrível entre o projeto de enfermeiro e o sisudo Philippe (François Cluzet), sem nunca cair no pastelão e muito menos no dramalhão, a dose de drama e comédia estão presentes no relacionamento entre os dois, porém Olivier Nakache e Eric Toledano souberam dosar tudo na medida certa e criar um filme impressionante.

Apesar dos assuntos polêmicos, o filme sempre lembra deles, o que vale aqui acima de tudo é a amizade que nasce, uma amizade recheada de sentimentos, é algo que cresce de uma maneira diferente, é algo de confiança e respeito, uma vez que apesar das diferenças claras entre os dois personagens, um rico e outro pobre e desempregado, um é negro e outro é branco, um é moderno e outro é clássico, apesar da deficiência de um deles e as constantes piadas que outro faz, o que vale aqui é o o respeito de um pelo outro, sem sentimentos de pena ou de culpa.

Intocáveis acerta em focar na amizade mais do que nos assuntos polêmicos, ele faz o alerta para uma França cheia de diferenças, mas mostra que a amizade verdadeira não depende de cor, de religião, de crença e nem de classe social, precisa apenas ser sincera. Mais uma vez o cinema francês analisa a amizade de uma forma forte, direta e certeira.

Até,
André C.

Intocáveis (Intouchables – 2011)
Sinopse: Um aristocrata que contrata um jovem para ser o seu cuidador após um acidente de parapente, o que o deixou tetraplégico. O que era para ser um período experimental, acaba virando uma grande aventura. Amizade, companheirismo e confiança são os elementos que transformam esse filme tocante e inesquecível.
Direção: Olivier Nakache e Eric Toledano
Roteiro: Olivier Nakache e Eric Toledano
Elenco: François Cluzet (Philippe), Omar Sy (Driss), Anne Le Ny (Yvonne), Audrey Fleurot (Magalie), Clotilde Mollet (Marcelle), Alba Gaïa Bellugi (Elisa), Cyril Mendy (Adama), Christian Ameri (Albert), Grégoire Oestermann (Antoine) e Dorothée Brière Méritte (Eléonore).

Nota Filme: 4.5

2 thoughts on “Intocáveis

  1. Brown

    Achei bem bom o filme! A atuação do François Cluzet sensacional, o cara não mexe um músculo no filme todo!

    Chamou a atenção a “parada” das orelhas, que deverá ser adotada pelo Chamusca para evitar a fadiga!!!

    Abraço

  2. […] cinematográfico de um cineasta que tem o poder de fazer o que tiver vontade na tela… 9.  Intocáveis – …deste improvável Intocáveis, que mais uma vez é o cinema francês analisando a vida do […]

Leave a Comment

Por favor preencha o algarismo que falta para enviar o comentário. *

Related posts