Nós podemos fazer a diferença! – Martin Scorsese

Nós podemos fazer a diferença! – Martin Scorsese

“Nós podemos fazer a diferença! Se nós disponibilizarmos esses filmes, vai existir alguém que será afetado por eles. Se nós atingirmos um em cada cem, ou um em cada mil, nós teremos feito algo importante, e talvez não apareçam tantos ‘Exterminadores do futuro’ pela frente!”

Martin Scorsese

E você concorda com Martin Scorsese?

Talvez alguns se revoltem por ele ter citado Exterminador do Futuro, mas acho que a preocupação de Scorsese é válida, pois tudo bem que os grandes clássicos do cinema não morrem jamais e vem ano a ano se renovando para se manter no mercado, é uma versão recuperada, versão de diretor, versão com o som em 7.1, etc.. Mas esta não é a sorte de filmes menores, que não foram marcados como clássicos, mas eram bons filmes e que ficaram esquecidos no tempo.

Por exemplo, o filme que Scorsese está apresentando em Cannes, Sapatinhos Vermelhos (1948), que concorreu ao Oscar de melhor filme, melhor roteiro e edição, além de ter vencido em Melhor Música e Direção de arte, é um filme que realmente não conheço, e possivelmente se for procurar em alguma locadora, não encontrarei. Ou seja, para amantes de cinema, com menos de 40 anos é uma enorme chance de aumentar seu acervo e seu conhecimento. É chance de conhecermos mais produções que ficaram esquecidas no tempo.

Indo mais longe, já que Scorsese pensa em liberar estes filmes em iTunes, Netflix e caixas de DVD (DVDs Criterion Collection), eu acharia sensacional que estes filmes ganhassem chances nos cinemas, sei que o público não seria dos maiores, mas você sempre encontra um cinéfilo apaixonado e “sedento” por filmes clássicos e antigos.

Indo mais longe ainda, mesmo os grandes clássicos poderiam ter a chance de sair em tela grande hoje em dia, ainda mais com o cinema digital sendo uma realidade, pois já vemos grandes Óperas em HD sendo exibidas no cinema (aqui em Curitiba no Unibanco Crystal Arteplex), então é possível você ter a chance e a experiência única de ver um E o vento Levou dentro de uma sala de cinema, com telas gigantescas, com qualidade digital.

É um sonho? Pode até ser, mas com pessoas do calibre do Scorsese num projeto de restauração de filmes, é possível sonhar que o cinema clássico, de qualidade possa arranjar um lugarzinho ao sol, mesmo com a briga forte e até injusta com os filmes pipoca. Eu realmente acharia uma coisa mágica entrar no cinema e ver filmes como: Matar ou Morrer, E O Vento Levou, Casablanca, Meu Ódio Será Sua Herança, Felicidade Não Se Compra, Touro Indomável (do próprio Scorsese), Rocky, Pisicose, Depois do Vendaval, Cidadão Kane, etc.

Pode ser um sonho de criança, um sonho de cinéfilo, mas realmente seria uma viagem ao tempo, que hoje ainda habita apenas filmes de ficção, mas seria tão mágico e incrível quanto.

Mas antes que falem mal deste blogueiro, quero deixar claro que não sou contra filmes de ação e os chamados filmes pipoca, mas como sou um apaixonado por uma época de ouro do cinema, seria algo realmente fantástico.

Até,
André C.

P.s.: Para saber mais veja a reportagem no G1 – Cinema do Globo.com

0 thoughts on “Nós podemos fazer a diferença! – Martin Scorsese

  1. […] passaram por lá: Tarantino e Brad Pitt apresentaram o esperado Inglorious Basterds. Tivemos um Scorsese criticando filmes pipocas e um Coppola apresentando um filme sobre um chefão argentino, Tetro, […]

Leave a Comment

Por favor preencha o algarismo que falta para enviar o comentário. *

Related posts